SME pode contratar temporários mesmo havendo candidatos concursados?

No dia 26 de junho de 2017, a Secretaria Municipal de Educação e Esporte de Goiânia, abriu as inscrições do Processo Seletivo Simplificado para substituição dos servidores efetivos da respectiva Secretaria da Educação, conforme Edital n. 001/2017. E a grande pergunta que este artigo pretende responder é: Processo Seletivo Simplificado na Prefeitura de Goiânia pode ocorrer mesmo havendo concursados aprovados aguardando convocações?

 

Inicialmente, é relevante entender a justificativa que a Prefeitura Municipal esta utilizando para realizar este processo seletivo. O Estatuto dos Servidores do Magistério Público do Município de Goiânia (Lei Complementar nº 091, de 26 de junho de 2000), no seu artigo 16, dispõe os seguintes termos: “Haverá substituição nos casos de afastamento legal do servidor do Magistério. § 1º O substituto será recrutado: entre os servidores efetivos, havendo compatibilidade de horário, e mediante a concessão temporária de acréscimo ou dobra de carga horária”.

 

Portanto, a Secretaria de Educação alega a legitimidade e legalidade deste Processo Seletivo, pois se trata de substituição dos servidores efetivos dos cargos do quadro de pessoal, afastados temporariamente em decorrência de Licenças Médicas, Licenças-maternidade, Licenças por Motivo de Doença em Família, Licenças-prêmio por Assiduidade, Licença para Acompanhamento de Cônjuge ou Companheiro, Licença para o Serviço Militar, Licença para Atividade Política, Licença para Tratar de Interesse Particular, Licença para Desempenho de Mandato Classista, bem como outros afastamentos legais.

 

Ocorre que a própria Lei Municipal que dispõe sobre contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público (Lei n.º 8.546, de 23 de julho de 2007), em seu artigo 2º, inciso VI, diz claramente: “Considera-se necessidade temporária de excepcional interesse público, nos seguintes casos: VI – atendimento urgente à exigência do serviço em decorrência da falta de pessoal concursado”. Por conseguinte, o processo seletivo simplificado para contratar temporários deve ser realizado em situações excepcionais, quando não há uma lista de candidatos regularmente aprovados no concurso público. Se há concursados aguardando convocação, então tal processo seletivo torna-se ilegal.

 

Logo, é perceptível que neste caso concreto, o que se pretende é desvirtuar o instituto do concurso público, pois o próprio Estatuto do Magistério (Lei Complementar n. 91/2000), no seu artigo 16, já citado, prioriza que a substituição em casos de afastamento legal, deve ser inicialmente entre servidores efetivos e somente depois de esgotada esta possibilidade, utilizar-se-á contratos temporários.

 

É relevante frisar, que o artigo 6º da Lei nº 8546, de 23 de julho de 2007, que dispõe sobre contratação temporária no âmbito da administração pública municipal para atender excepcional interesse público, diz expressamente: “A contratação a que se refere o inciso III, do art. 2º, desta lei, somente será possível se restar comprovada a impossibilidade de suprir a necessidade temporária com o pessoal do próprio quadro e desde que não reste candidato aprovado em concurso público aguardando nomeação.”

 

A lei é clara e enfática “desde que não reste candidato aprovado em concurso público aguardando nomeação”, o que não é o caso presente, pois há vários candidatos aprovados no concurso público da Secretaria Municipal de Educação, conforme Edital. n.º 001/2016, aguardando nomeação. Por isso, tal processo seletivo simplificado esta eivado de ilegalidade, gerando preterição dos candidatos regularmente aprovados no concurso público.

 

Vale ressaltar que o próprio Supremo Tribunal Federal fixou o entendimento no sentido que, comprovada a necessidade de contratação de pessoal, deve-se nomear os candidatos aprovados no certame em vigor em detrimento da renovação de contrato temporário.

 

Quando a Prefeitura realiza contratações temporárias para indivíduos exercerem a mesma função para o qual diversos candidatos foram aprovados em concurso público, tal procedimento fere o princípio constitucional do concurso público, pois a manutenção ou contratação de temporários para suprir a demanda demonstra a necessidade evidente de pessoal para o desempenho da atividade, revelando flagrante preterição daquele que, aprovado em concurso ainda válido, estaria apto a ocupar o cargo. Por conseguinte, tal circunstância, faz surgir o direito subjetivo do candidato à nomeação. (MS 17.035/DF, STJ – Primeira Seção, Rel. Min. Herman Benjamin, julgamento 14.09.2011, DJe 20.09.2011).

 

Recentemente, o próprio Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, proferiu uma decisão em consonância com a tese aqui sustentada, como se percebe pela leitura desta jurisprudência: AGRAVO DE INSTRUMENTO EM MANDADO DE SEGURANÇA. CONCURSO PÚBLICO. CADASTRO DE RESERVA. EXPECTATIVA DE DIREITO. PREENCHIMENTO DO CARGO POR SERVIDOR TEMPORÁRIO. PRETERIÇÃO DE CONCURSADOS. I- (…) II- O candidato aprovado em concurso público para o cadastro de reserva deixa de ter mera expectativa, adquirindo o direito subjetivo à nomeação, se configurada alguma das seguintes situações: preenchimento do cargo sem observância da classificação; abertura de novo concurso para preenchimento do cargo, existindo candidatos aprovados no certame anterior; e contratação de servidores temporários ou comissionados para ocuparem o cargo vago, em detrimento do direito do candidato aprovado. Precedentes do STJ. III- (…) (TJGO, Agravo de Instrumento 5318299-79.2016.8.09.0000, Rel. LUIZ EDUARDO DE SOUSA, 1ª Câmara Cível, julgado em 06/04/2017, DJe  de 06/04/2017).

 

Por fim, é importante frisar que a própria Constituição Federal, no seu artigo 37, inciso IV, garante a precedência dos aprovados em concurso: “durante o prazo improrrogável previsto no edital de convocação, aquele aprovado em concurso público de provas ou de provas e títulos será convocado com prioridade sobre novos concursados para assumir cargo ou emprego, na carreira”.

 

Logo, pela interpretação constitucional supracitada, bem como das leis municipais é perceptível que as convocações dos candidatos aprovados no concurso da educação realizado pelo edital n. 001/2016 devem ser priorizadas em face dos contratos temporários decorrente do processo seletivo simplificado do edital n. 001/2017. Dessa forma, cumprir-se-á a Constituição Federal que consagrou a forma legítima de ingresso no quadro do funcionalismo público o requisito essencial da aprovação em concurso público.

 

Dr. Agnaldo Bastos, advogado especialista em direito público, atuante em causas envolvendo concursos públicos, servidores públicos e licitações.

Compartilhe este artigo:

9 respostas

    1. Gostaria de saber se o prefeito pode substituir funcionários de processo seletivo por tempo determinado,que ficaram meses no cargo,por seguir a lista do mesmo processo efetuando substituições de candidatos que passaram posteriormente no mesmo edital que rege o primeiro.

      1. Olá, Vaneide! Teríamos que analisar melhor esta situação, mas pelo que você descreve existe uma aparência de ilegalidade nesta articulação realizada pelo prefeito, conforme você descreve.

  1. Então não pode fazer contrato temporário tendo um concurso em aberto e com candidatos aprovados esperando ? Isto vale para todas as prefeituras ??

  2. Os concursados aprovados que estao aguardando para ser chamado, podem fazer alguma coisa contra esses processo seletivo simplificado?
    No caso desse processo que está no artigo acima, sempre esta tendo convocacoes e os concursados deixados de lado. Um absurdo
    E ja estao abrindo outro agora em junho nas mesmas funçoes, sendo que existem concursados aprovados aguardando serem chamados.

  3. Em Manaus, a Semed tem no seu Quadro mais de 2.241 Contratados (PSS) 2013 até agora em 2018 ela chamou PSS mesmo Concurso em andamento e Outras Irregularidade São as cargas dobradas que estão ocupando também vagas dos APROVADOS.
    A Semed Ofereceu 400 vagas, sendo que tem 5.000 aprovados e concurso foi homologado e vão chamar os 400 30 dd junho. Porém já estamos nos mobilizando para que chamem o C.R, visto que vão renovar os contratos, onde no diário Oficial iria sair 1000 e pouco dia 30 de junho.
    Fora os Pss que foram chamados 2015,16,17 e 18.
    Pela Lei Rda 2010 e o edital do Pss é 12 meses por igual período. Porém quando tem aprovados não necessita renovar os contratos.
    A gente conseguiu uma reunião direto com Secretária da Semed, foi satisfatória, mas como não tem nada assinado, ainda sim ficamos com o pé atrás. Pois chamando os 400 dentro do número de vagas eles gostam de dobrar carga. Enfim, tentei resumir!
    OBS: *não tô contando as cargas dobradas.

    Aguardo seu retorno!

  4. Olá Dr.estou no cadastro reserva de um concurso público aqui na minha cidade!essa semana foram contratados muitas pessoas para ocuparem o cargo de professor, do qual encontro-me aguardando vagas para tornar-me efetiva.Gostaria de saber se essas contratações são legais ou se posso recorrer prq uma vez tendo vagas,não seria viavel a prefeitura chamar o cadastro reserva?

  5. boa tarde ! ainda tenho dúvidas , passei em um concurso público que eram 40 vagas , porém chamaram 60 candidatos ,mas a prefeitura esta convocando os selecionados no processo seletivo, já chamaram 84 candidatos nesse processo.O certo nao seria chamar os concursados ?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Informe o que deseja encontrar

Pesquisar
Se preferir, fale com nossa equipe de especialistas:

Siga-nos nas Redes Sociais

Seja bem-vindo, ao navegar em nosso site você concorda com a nossa Política de Privacidade, por isso convidamos você a conhecê-la: Política de Privacidade

Atenção ao funcionamento do nosso Escritório!

Em decorrência da declaração de Pandemia pela OMS por causa do Coronavírus (Covid-19) informamos que nossos serviços estarão funcionando da seguinte forma por tempo INDETERMINADO:

Nossos serviços estarão funcionando normalmente através do trabalho a distância (Home Office), e nossa equipe esta preparada e organizada para melhor atendê-lo.

Não estaremos realizando atendimentos presenciais e nosso contato de telefone fixo não estará disponível.

Nossos atendimento serão apenas por meios online como WhatsApp, Skype, Vídeo chamadas e ligações somente para número de celular.

LIGAÇÕES por telefone somente para este número: (62) 99193-0358 das 10:00 as 18:00.
WHATSAPP somente através deste número: (62) 9 9338-0824. (Obs.: este último número funcionará apenas através do WhatsApp, sem ligações).
E-MAIL somente através do contato@agnaldobastos.adv.br

O escritório Agnaldo Bastos Advocacia Especializada em concursos públicos e servidores públicos estamos nos adaptando a essas novas formas de contato visando a segurança e saúde de todos os seus amigos, parceiros e clientes.

Pesquisar no Site

Digite no campo abaixo o assunto que deseja buscar no site.

Olá!

Você deseja entrar em contato agora com nosso escritório e já ser atendido?

ou continue sua visita no site.